Pirataria em sites aumenta 9% na América Latina em 2018-2019

A pirataria é a principal ameaça para criadores de conteúdo, operadoras de televisão por assinatura e programadoras. Relatório aponta que o Brasil tem o maior volume de acessos a conteúdo pirata na região

A organização Alianza, que combate a pirataria na televisão por assinatura, divulgou as principais conclusões do Relatório sobre Pirataria em Sites, encomendado à empresa Muso. O documento aponta um aumento significativo da pirataria na internet em toda a América Latina. O tráfego para sites piratas na região cresceu 9% em 2018, em comparação com o ano anterior, com mais de 14,14 bilhões de visitas.

Segundo a entidade, a pirataria é a principal ameaça para criadores de conteúdo, operadoras de televisão por assinatura e programadoras na América Latina. A exibição não autorizada da programação de canais de TV pela internet continua crescendo em um ritmo alarmante. Os prejuízos registrados são estimados em bilhões de dólares e afetam a capacidade de produção do setor, a qualidade dos novos conteúdos e a expansão do mercado como um todo. Os impactos da pirataria vão desde a danos às economias locais – com redução de empregos –, queda de arrecadação de impostos até os perigos da exposição dos dados pessoais dos consumidores.

Entre as principais conclusões do relatório destaque para “as visitas a sites de streaming piratas aumentaram 13% de um ano para o outro, enquanto os acessos para download diminuíram 15% no mesmo período. Houve uma média de 51,60 visitas a sites de pirataria por pessoa em 2018”.

Assim, segundo o estudo, o maior volume de acessos a material pirata foi registrado no Brasil, com 7,18 bilhões em 2018. Uruguai e o Chile apresentaram a maior demanda de conteúdo infrator por usuário da internet.

No ano passado, “as visitas a sites de pirataria no primeiro semestre de 2019 (de janeiro a junho) demonstram o mesmo crescimento que 2018, revelando mais de 7,29 bilhões de visitas totais a sites de pirataria durante os primeiros seis meses do ano”, explica o relatório.

“Estes dados compõem um quadro muito alarmante de como a pirataria continua sendo uma ameaça crescente à indústria da televisão, e possui impacto direto no desempenho e no crescimento da criação de conteúdos no setor. Precisamos que os governos de todos esses países da América Latina priorizem a questão e nos ajudem a combater o problema por meio de determinações legais que colaborem para a construção de um mercado competitivo. Nós continuamos pressionando, conscientizando e trabalhando de perto com cada país e as suas autoridades para levar à Justiça os criminosos que estão por trás destas ações ”, disse Javier Figueras, presidente da Alianza.

O relatório da Muso se concentrou no consumo de pirataria na internet na América Latina. Inclui métricas de acessos a sites públicos que distribuem material que desrespeitam os direitos de copyright. No entanto, não inclui métricas sobre o consumo de pirataria por meio de aplicativos, playlists ou dispositivos ilícitos de streaming, todos amplamente usados para piratear canais, inclusive na transmissão de eventos esportivos ao vivo.

(Set.org,br)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.